Menu Mobile

MP acompanha em Brasília assinatura Pacto Nacional pela implementação da Lei da Escuta Protegida

MP acompanha em Brasília assinatura Pacto Nacional pela implementação da Lei da Escuta Protegida

flaviaskb

A coordenadora do Centro de Apoio da Infância, Juventude, Educação, Família e Sucessões, Denise Villela, participou, nesta quinta-feira, 13, em Brasília da cerimônia de assinatura do Pacto Nacional pela implementação da Lei da Escuta Protegida. O pacto tem como foco a prevenção da revitimização de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violências física, psicológica, sexual ou institucional. Estabelece, ainda, o Sistema de Garantias de Direitos da Criança e do Adolescente, com a determinação de diretrizes concretas para a implantação da escuta especializada e o depoimento especial.

Assinaram o pacto o Supremo Tribunal Federal (STF), o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), os Ministérios da Justiça, da Casa Civil, da Educação, da Saúde, da Cidadania, da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, a primeira-dama Michelle Bolsonaro, a Ordem dos Advogados do Brasil, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o Conselho Nacional dos Chefes de Polícia Civil (CONCPC), a Defensoria Pública da União e o Colégio Nacional dos Defensores Públicos Gerais (Condege).

A Secretaria Nacional de Justiça (Senajus/MJSP), em parceria com a Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos (MMFDH), será articuladora das ações integradas e interinstitucionais. O trabalho será feito com base em diretrizes para o atendimento integrado de crianças e adolescentes vítimas de violência; em protocolos para a escuta especializada (realizada pela rede de proteção) e o depoimento especial (feito pelas unidades policiais e judiciais); e na promoção de campanhas de educação e ações de capacitação dos profissionais que lidam diretamente com o tema.

Denise Villela, que também é a coordenadora da Comissão Permanente da Infância e Juventude (Copeije) do Grupo Nacional de Direitos Humanos – GNDH, do Conselho Nacional de Procuradores-Gerais de Justiça dos Estados e da União (CNPG), e integrante do GT sobre a Lei da Escuta Protegida do CNMP, sublinha que o pacto mostra a movimentação real das instituições para garantir a proteção às vitimas. “Temos aqui, além do Ministério Público, um conjunto de instituições que se unem em favor desse tema. A nossa intenção é evitar que crianças e adolescentes sofram o constrangimento de reviver, em alguns casos mais de uma vez, a violência sofrida, e que a lei seja efetivamente aplicada em todo o país.”, explicou.

LEI DA ESCUTA PROTEGIDA

Entre os mecanismos e práticas previstas estão a instituição da escuta especializada e do depoimento especial, sempre que houver necessidade da coleta do testemunho da criança ou do adolescente, de forma a evitar que sofram ao ter que rememorar os fatos vivenciados anteriormente . A lei também trata da obrigatoriedade dos órgãos de saúde, assistência social, educação, segurança pública e justiça adotarem procedimentos para lidar com a revelação espontânea de violência.

Às ações integradas e intersetoriais necessárias para tirar a lei do papel serão articuladas entre todos os signatários do Pacto, coordenados pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, com base em diretrizes para o atendimento integrado de crianças e adolescentes, com o estabelecimento de protocolos específicos para a realização da escuta especializada e do depoimento especial – o primeiro, feito por membros de órgãos de proteção à infância e juventude e o segundo, pelas unidades policiais e judiciais.