Menu Mobile

MP quer garantir preservação do acervo documental do Castelo de Pedras Altas

MP quer garantir preservação do acervo documental do Castelo de Pedras Altas

marco

Atendendo à demanda do Promotor de Justiça de Bagé, Everton Resmini Meneses, o Procurador-Geral de Justiça, Eduardo de Lima Veiga, designará servidores e membros do Ministério Público para buscar uma solução para preservar o acervo documental de Joaquim Francisco de Assis Brasil, o proprietário do Castelo de Pedras Altas. Após inúmeras tentativas frustradas de captar recursos para a restauração do castelo, os herdeiros decidiram colocar o local à venda no início do ano passado, incluindo tudo que está no interior da edificação.

De acordo com o Promotor de Justiça, neste momento, mesmo que as iniciativas que tentam garantir a preservação do castelo não prosperem, é importante garantir ao menos o acervo documental, que está no interior do prédio, exposto a ação do tempo. “Nossa intenção é pedir o apoio da Instituição, devido a importância deste material para a história do Rio Grande do Sul”, disse Everton Meneses, que foi recebido por Eduardo de Lima Veiga em seu gabinete. Ele esteve acompanhado da servidora do MP e historiadora Evelise Neves e de funcionários do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (IPHAE).

A Comissão que irá tratar do tema será presidida pelo Promotor de Justiça de Bagé e, além de membros e servidores do MP, estará aberta a participação de todos que tenham interesse em contribuir para que o referido acervo tenha a melhor destinação.

Ainda durante a reunião que ocorreu sexta-feira, 11, o PGJ acenou com a possibilidade do Ministério Público receber a documentação, mantendo-a em local apropriado, onde seja possível manipular e catalogar os documentos. “Podemos encontrar um espaço para abrigar esses documentos, mas para isso é necessário avançar nas discussões sobre o tema e, principalmente, dialogar com os herdeiros”, concluiu o Procurador-Geral de Justiça do RS.

Ouça aqui a Rádio MP.