Menu Mobile

Fura fila no SUS: MP denuncia oito pessoas por crimes cometidos em Vera Cruz

Fura fila no SUS: MP denuncia oito pessoas por crimes cometidos em Vera Cruz

flaviaskb

O Ministério Público apresentou, nesta segunda-feira, 25, denúncia contra oito pessoas que participaram de um esquema de fura fila no SUS de Vera Cruz. A denúncia é assinada pelo coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – Gaeco Núcleo Saúde, João Afonso Silva Beltrame, e a promotora de Justiça de Vera Cruz, Maria Fernanda Cassol Moreira. O processo tem mais de 10 mil páginas e 77 volumes.


Leia mais:
Operação Fura-Fila cumpre medida de afastamento de vice-prefeito, secretários e vereadores de Vera Cruz


Conforme as investigações do MP, entre janeiro e dezembro de 2017, em inúmeras oportunidades, o vice-prefeito Alcindo Francisco Iser, os ex-secretários municipais Eliana Maria Giehl e Martin Fernando Nyland, os vereadores Eduardo Wanilson Martins Viana e Marcelo Rodrigues de Carvalho, os ex-assessores parlamentares Gelson Fernandes de Moura e Anselmo Eli Ferreira Júnior, e a servidora pública Adriane Mueller, se uniram para modificar a ordem da fila do SUS na cidade para favorecer eleitores que os procuravam. Eles foram denunciados por organização criminosa, pois havia distinção de tarefas entre cada um deles para cumprir as promessas de viabilizar a realização de exames e consultas sem custos (pelo SUS, pelo município diretamente ou via Cisvale) sem que fosse necessário aguardar na fila de espera obrigatória.

No período das investigações, foram constatados 44 inserções de dados falsos em sistemas informatizados utilizados na Secretária Municipal de Vera Cruz (Sisreg, Gercon, Gerint, Cisvale e etc.) para que pacientes moradores de Vera Cruz e região realizassem exames, consultas e até cirurgias sem qualquer obediência à fila de espera ou critérios objetivos, conseguindo agendamentos em tempo recorde. Houve casos de pessoas que conseguiram agendamento com apenas alguns dias de espera, enquanto que outros pacientes aguardavam pelo mesmo procedimento por mais de quatro anos. Assim, eles irão responder pelo crime de peculato eletrônico.