Menu Mobile

Novo Hamburgo: MP vistoria casarão que pegou fogo e decide instaurar inquérito civil

Novo Hamburgo: MP vistoria casarão que pegou fogo e decide instaurar inquérito civil

flaviaskb

O Ministério Público do Rio Grande do Sul vistoriou, na quinta-feira, 4 de fevereiro, o casarão da família Friedrich, em Novo Hamburgo. O imóvel, um dos mais antigos da cidade, foi parcialmente consumido por um incêndio na terça-feira, dia 2. Por parte do Ministério Público, compareceram os promotores de Justiça Daniel Martini, coordenador do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente (Caoma), Michael Schneider Flach, promotor regional do Patrimônio Cultural, e Sandro de Souza Ferreira, da Promotoria de Justiça Especializada de Novo Hamburgo.

A partir da visita, o Ministério Público abriu uma Notícia de Fato onde detalha que o incêndio comprometeu parcialmente o telhado do prédio localizado na Estrada Germano Friedrich, 55, com danos perceptíveis no andar superior. “No andar inferior também foram percebidos os efeitos do sinistro, especialmente pela presença de água da chuva”, diz o relatório assinado pelo promotor Sandro de Souza Ferreira. O proprietário do imóvel, que também participou da inspeção, informou que removeu o mobiliário para um prédio anexo. No relatório, o MP assegura, ainda, não haver dúvidas “acerca da ímpar significância histórico-cultural do imóvel, assim como há o entendimento do âmbito da administração municipal de que devem, sim, ser adotadas providências administrativas destinadas a salvaguardar o interesse público na preservação do patrimônio histórico representado pelo local”.

O MP, então, determinou que seja instaurado inquérito civil para análise dos danos causados pelo incêndio e as medidas administrativas tomadas pelo Município para proteção do patrimônio histórico-cultural que o imóvel representa. O MP também irá solicitar ao Corpo de Bombeiros que informe se foi possível estabelecer a causa do incêndio. Também participaram da vistoria os secretários municipais de Cultura e de Meio Ambiente, Ralfe Cardoso e Udo Sarlet, respectivamente, e a procuradora-geral do Município, Fernanda Luft.