Audiência pública em Eldorado do Sul debate licenciamento do projeto Mina Guaíba

Audiência pública em Eldorado do Sul debate licenciamento do projeto Mina Guaíba

flaviaskb

Mais de mil pessoas participaram, nesta quinta-feira, 27, de audiência pública em Eldorado do Sul, promovida pela Fepam, que debateu o licenciamento do projeto Mina Guaíba. A recomendação pela realização do evento foi dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, que vêm acompanhando a questão. Foi a segunda audiência realizada sobre o projeto.

Conforme a promotora do Meio Ambiente de Porto Alegre, Ana Maria Moreira Marchesan, que participou do encontro, juntamente com a promotora Annelise Steigleder e o biólogo do Gabinete de Assessoramento Técnico do MP Luiz Fernando de Souza, “a polêmica na mineração de carvão revela divisão da sociedade e muitos aspectos a serem esclarecidos”. A promotora ressalta que durante os debates foram feitos diversos pedidos de audiência pública em Porto Alegre.

No encontro, ocorrido no ginásio da Escola Municipal David Riegel Neto, foram apresentados e debatidos os dados do Estudo de Impacto Ambiental e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima).

Enquanto a empresa Copelmi Mineração, responsável pelo projeto, defendeu o avanço do empreendimento, garantindo a sua segurança, e apontou possíveis benefícios à economia do Estado, ambientalistas posicionaram-se contra a iniciativa por possíveis riscos à natureza. Os participantes compareceram exibindo cartazes, faixas e camisetas com mensagens favoráveis ou contrárias à iniciativa. A discussão pública faz parte do processo exigido para concessão da licença prévia para a mina, que seria a maior do Brasil.

O procurador da República Pedro Nicolau Sacco também participou da audiência, mediada pelo diretor-técnico da Fepam, Renato Chagas.

ENTENDA O CASO

A Copelmi Mineração tenta, desde 2014, a licença da Fepam para instalação de uma mina de carvão em Charqueadas e Eldorado do Sul, na Região Metropolitana.O projeto de exploração carbonífera na área é criticado por ambientalistas por se localizar próximo ao Delta do Rio Jacuí, além de envolver desvios em cursos d'água e possíveis impactos na fauna e na flora.A Copelmi afirma que a visão do carvão como elemento poluente é ultrapassada e que novas tecnologias garantem a segurança do empreendimento.O projeto não prevê formação de barragem, como as da Vale em Mariana e Brumadinho (MG).