Menu Mobile

Entre em Contato

Para contato com o autor/a de uma das experiências, solicite pelo e-mail caoinfancia@mprs.mp.br

O conteúdo publicado neste espaço é de inteira responsabilidade do autor/a do cadastro da experiência.

Caçapava do Sul
Entre 25 e 50 mil
Santa Maria
Gestão municipal
Projeto Busca Ativa- Escola Nosso Segundo Lar
Busca ativa escolar

Projeto Busca Ativa- Escola Nosso Segundo Lar A evasão escolar sempre foi um problema muito complicado para as instituições escolares. Muitas são as justificativas familiares, doenças sem atestado médico, mudanças repentinas de endereço, quando adolescentes entra a questão que já estão auxiliando economicamente as famílias com seus trabalhos, e alguns casos o adolescente decide que não vai frequentar e a família justifica não conseguir levá-los à escola. Durante a pandemia o controle de frequência dos alunos se dava através do retorno das atividades que foram enviadas, na maioria das vezes, impressa, ou pela presença nas aulas virtuais; e assim observou-se que o trabalho de Busca Ativa teve que se fazer mais presente nas famílias, para fortalecer os laços. Durante o retorno presencial notamos que o medo de contaminação e a questão econômica das famílias, que necessitaram mais do auxilio financeiro dos adolescentes, fez com que aumentasse a demanda da Busca Ativa. Em nossa cidade não foi diferente, nossos índices aumentaram, mas ao mesmo tempo observamos que as crianças menores entre 4 e 12 anos sempre respondem positivamente a Busca Ativa, os maiores de 12 até 18 anos observamos uma maior resistência. A Busca Ativa utiliza uma estratégia articulada e uma metodologia social que nos permite o planejamento e a utilização dos profissionais da rede de educação, assistência e saúde.

A Busca Ativa utiliza uma estratégia articulada e uma metodologia social que nos permite o planejamento e a utilização dos profissionais da rede de educação, assistência e saúde. Nosso Plano inicia-se com a Busca Ativa da instituição com contatos telefônicos, visita domiciliar, orientação educacional, muitas vezes buscou auxílio da Saúde, pois observamos que o endereço e os telefones são mudados com frequência e somente as Agentes de Saúde conseguem nos localizar. Após, quando o aluno não retorna, passamos a segunda fase, que se inicia com a confecção de um formulário com dados dos Alunos que é enviado a Secretaria de Educação, que faz novos contatos, caso não surta efeito entramos na terceira fase. Nessa o formulário é encaminhado para o Conselho Tutelar que Efetua a Busca Ativa domiciliar e orienta a família sobre a importância de frequentar a escola e a responsabilidade da família em providenciar essa frequência. Após essa fase, caso não consigamos o retorno o caso é encaminhado ao Ministério Público.

Nossos resultados ainda estão sendo computados , mas observa-se que poucos ainda resistem ao retorno a escola, sendo esses adolescentes entre 16 e 18 anos incompletos.

USO DE COOKIES

O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul utiliza cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação.
Clique aqui para saber mais sobre as nossas políticas de cookies.