Menu Mobile

Entre em Contato

Para contato com o autor/a de uma das experiências, solicite pelo e-mail caoinfancia@mprs.mp.br

O conteúdo publicado neste espaço é de inteira responsabilidade do autor/a do cadastro da experiência.

Serafina Corrêa
Entre 5 e 25 mil
Passo Fundo
Escola
EDUCAÇÃO PARA TODOS E PARA CADA UM
Busca ativa escolar

Evitar a infrequência escolar; Combater a evasão escolar e o termo “evadido”; Buscar o aluno em casa, através de visitas in loco; Localizar alunos fora do município, estado ou país, estabelecer alguma forma de contato, seja telefone, redes sociais, amigos, parentes, Conselho Tutelar ou outros órgãos pertinentes e oferecer auxílio na busca de uma vaga em rede de ensino; Corrigir a defasagem de idade e série dos alunos, através de reclassificação ou avanço escolar; Solucionar casos de bullying que motivem infrequência escolar; Oferecer materiais escolares, agasalhos e alimentos para facilitar o acesso e permanência do aluno na escola; Oportunizar trabalhos e conteúdos da série através de Ensino Remoto aos alunos com atestado médico ou em Licença Maternidade; Estabelecer redes intersetoriais de conexão e parceria que facilitem a retomada de estudos e localização de alunos; Comunicar através da FICAI online, alunos infrequentes, para tomada de providências do Conselho Tutelar e, Centro de Referência e Assistência Social, bem como Ministério Público, se for o caso.

A infrequência é um sinal de que algo não está bem e representa o primeiro indício de que o estudante pode vir a abandonar a escola. A infrequência é geralmente a consequência de algo, como: necessidade de trabalhar e auxiliar os pais na renda doméstica, gravidez na adolescência, distância da escola, dificuldades de aprendizagem com possível defasagem de idade e série, dificuldade de compreensão do idioma pelos alunos estrangeiros, casos de bullying, desestímulo pessoal, vulnerabilidade social, mudança de endereço (inclusive estrangeiros que migram), doença na família ou outro motivo que precisa ser identificado, traçando-se uma solução e orientando essa família. Os meios para atingir o fim de manter o aluno na escola, passam por uma visita domiciliar inicialmente, contatos telefônicos e via redes sociais, bilhetes e contatos com vizinhos, envio de relatório ao Conselho Tutelar – importante órgão de fiscalização dos direitos da Criança e do Adolescente.

A partir da implantação da Rede de Apoio à Escola – RAE no município, que tem por objetivo o trabalho em rede e a busca de soluções coletivas de alternativas para diminuir a evasão e outros problemas que interferem direta ou indiretamente no processo ensino-aprendizagem e/ou na socialização do educando, a Escola João Corso assumiu o compromisso de buscar e resgatar alunos infrequentes, não medindo esforços para esse fim. Destacam-se alguns casos em que o envolvimento da escola foi imprescindível na resolução da situação-problema: • Samuel David Veliz Herrera 5° ano e Santiago Enmanuel Veliz Herrera 8° ano B Encaminhamos ao Conselho Tutelar um relatório dos dois irmãos, por motivo de mudança de endereço e infrequência na escola. A primeira visita da RAE feita na família, foi dia 23/05 sendo que a família residia, próximo à escola, fomos avisar que a escola agendou consulta para Samuel, com o pediatra no SUS, pois apresenta dificuldade motora. Samuel não era infrequente, sempre vinha à escola, mas o irmão Santiago não vinha. Samuel contou-nos que sofreu um acidente quando criança e isso prejudicou sua perna, quando residiam na Venezuela, seu país de origem. Nesta ocasião, da visita da RAE, a mãe ficou responsável por acompanhá-lo em consulta médica. Entregamos agasalhos e orientamos a mãe quanto à frequência do Santiago e como funciona no Brasil, a importância de frequentarem as aulas. A família mudou-se de endereço, e os dois começaram a faltar. Samuel faltou algumas vezes, mas Santiago muitas. Então a escola visitou duas vezes, pois pela distância até a Escola João Corso, os alunos estavam faltando ou vindo a pé, pois não há transporte. Foram então encaminhamos para a Escola Estadual de Ensino Fundamental 1º de Maio, onde já foi ofertada vaga para ambos frequentarem. A direção da escola esteve, através da RAE - Rede de Apoio à Escola nesta família, mais duas vezes, entregando uma cesta básica de alimentos e roupas, também orientando a mãe e acompanhando-a até a Escola Estadual 1º de Maio para mostrar a localização da escola, informando-se do funcionamento e documentação necessária para efetivar a matrícula, sempre mantendo contato com a mãe por telefone e whats app, para orientá-la neste retorno dos filhos a rede escolar.

USO DE COOKIES

O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul utiliza cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação.
Clique aqui para saber mais sobre as nossas políticas de cookies.