Montenegro: MP denuncia quatro pessoas por assassinato de pastora

Montenegro: MP denuncia quatro pessoas por assassinato de pastora

celio

A Promotoria de Justiça Criminal de Montenegro apresentou, nesta sexta-feira, 14, denúncia contra Adair Bento Da Silva, 38 anos, Rodrigo Nunes da Silva, 23 anos, Igor de Azeredo Gomes, de 21 anos (atualmente na Penitenciária Modulada de Montenegro) e Juliano Jackson da Silva Gomes, de 31 anos (atualmente cumprindo prisão domiciliar), pela morte da pastora Marta Maria Kunzler da Silva.

A promotora de Justiça Graziela Vieira Lorenzoni, que assina a ação, entendeu que eles praticaram homicídio quintuplamente qualificado. O motivo foi considerado torpe (mediante paga e com promessa de recompensa); o crime foi praticado por meio cruel – asfixia – e utilizando recurso que dificultou a defesa da vítima. Além disso, trata-se de um feminicídio, caracterizado como violência doméstica e familiar, e contra pessoa maior de 60 anos.

O CRIME

Conforme as investigações, no dia 14 de junho, por volta das 23h15min, em Montenegro, os denunciados Igor de Azeredo Gomes, Juliano Jackson da Silva Gomes, Rodrigo Nunes da Silva e Adair Bento da Silva, em comunhão de esforços e acordo de vontades, por ordem de Adair, mataram Marta Maria Kunzler da Silva.

Adair prometeu que pagaria a Igor e Juliano (que são primos) a quantia de R$ 1 mil (mas acabou pagando apenas R$ 100), para cometerem o crime porque a mulher não concordava com a separação proposta pelo mandante. Além disso, ficou sabendo que, se a separação se consumasse, sua parte do patrimônio do casal seria pequena. Eles eram casados havia 18 anos.

Naquela noite, a pastora foi surpreendida quando chegava em casa após o culto na Igreja do Evangelho Quadrangular de Montenegro. Igor e Juliano esperavam-na dentro da residência e a atacaram com golpes no pescoço e, em seguida, estrangularam-na com uma gravata – que foi encontrada amarrada na vítima. Para abafar os gritos da vítima, eles colocaram som em alto volume.

Rodrigo concorreu para o crime na medida em que não impediu a morte, bem como dirigiu o carro para a fuga de Igor e Juliano. O automóvel foi abandonando na localidade de Passo da Amora. Adair simulou que a esposa havia sido vítima de um assalto, dificultando a ação da polícia. [Foto: Guilherme Baptista/Fato Novo]