MP de Cachoeira do Sul se reúne com prefeito para discutir turno único

MP de Cachoeira do Sul se reúne com prefeito para discutir turno único

flaviaskb

As promotoras de Justiça Maristela Schneider e Débora Jaeger Becker, de Cachoeira do Sul, realizaram reunião na Promotoria de Justiça, com o Poder Executivo Municipal, nesta quarta-feira, 13, para tratar da implantação do turno único.

Na reunião, o Ministério Público cientificou o prefeito, a Procuradoria Jurídica e a Secretaria Municipal da Fazenda de sua preocupação com a prestação de serviço público efetivo e contínuo à população. No encontro, as promotoras questionaram, a partir dos dados dos gastos do último ano, retirados do Portal da Transparência da Prefeitura, a efetiva economia com a instauração do turno único, uma vez que os gastos com água, luz, telefone e combustível não tiveram redução comprovada no período de turno reduzido. Ainda, pontuou-se o fato de se abrir mão de duas horas de trabalho dos servidores, sem a correspondente redução salarial, ocasionando diminuição do serviço público prestado à população. O Município apresentou levantamento elaborado pela Secretaria Municipal da Fazenda, apontando a estimativa de economia, inferior a R$ 80.000,00. Já havia sido noticiada na imprensa uma expectativa de economia de R$ 72.000,00, em itens como horas extras, vale-transporte, combustível, água, luz e telefone.

Para o Ministério Público, o cálculo deve englobar inicialmente a renúncia da receita, decorrente das horas remuneradas a servidores públicos sem prestação das duas horas diárias de serviço, tendo sido frisado que a grande incumbência do Poder Executivo é a prestação de serviço, contínuo e eficiente, essencialmente. Outro argumento do Ministério Público foi que o cálculo não discrimina seus critérios para justificar os valores obtidos a título de economia, com itens, por exemplo, como água, luz e telefone.

O Ministério Público pontuou, ainda, que, ao instituir o turno único, o Município, além de penalizar o destinatário/contribuinte do serviço público, adota medida transversa e recorrente para atender circunstância que não é imprevista, pois, ano a ano, é constatado haver arrecadação inferior a despesa.

Por fim, pontuou-se que a instituição de turno único, reduzindo a carga horária de trabalho dos servidores de 8 para 6 horas, não pode ser tratado como regra, sendo utilizado todos os anos, uma vez que outras medidas constitucionalmente previstas devem ser implementadas por primeiro, como redução de cargos comissionados e funções gratificadas, bem como criação de política de educação de economia de gastos e outras medidas de gestão para redução de custos.
Após a reunião, o Município comprometeu-se a analisar as ponderações e apresentar posicionamento oficial.

O Ministério Público aguarda o posicionamento, porém, para a imprensa local, houve anúncio, feito pelo procurador-geral do Município, de que o prefeito deve recuar da decisão e a Prefeitura então, voltará a atender em horário integral de expediente.

Foto: O Correio/Divulgação