Pelotas: MP obtém decisão que condena integrantes de grupo por formação de milícia

Pelotas: MP obtém decisão que condena integrantes de grupo por formação de milícia

flaviaskb

O Ministério Público obteve decisão que condenou 11 integrantes de um grupo criminoso que trabalhava na empresa Nasf Portaria e Segurança, em Pelotas. A soma das condenações de todos os réus, que formavam a liderança da organização criminosa, ultrapassa 100 anos de reclusão. Conforme as investigações do MP, a empresa, que teoricamente deveria atuar em Pelotas com serviço de zeladoria, praticava crimes como tortura, milícia armada, lesões corporais, danos patrimoniais e incêndio, entre outros.


Leia mais:
Denúncia do MP é recebida pela Justiça Militar e resulta no afastamento de oficial da BM
Atuação articulada do MP obtém decisão para prisão preventiva de milícia em Pelotas
MP reverte decisão no TJ e prende integrantes de empresa de segurança que cometiam crimes em Pelotas
Quinze pessoas são presas durante Operação "Braço Forte" em Pelotas
Operação “Braço Forte” desarticula crimes cometidos por empresa de segurança em Pelotas


O procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen, destaca a atuação articulada do Ministério Público na fase investigatória e processual neste caso. “A sentença confirma que o grupo criminoso era realmente uma milícia e esta condenação mostrou que o MP cumpriu com sua função dando resposta a uma demanda muito importante para a comunidade de Pelotas e região”, considerou.

Foram condenados Nelson Antônio da Silva Fernandes, a 18 anos e dois meses de reclusão em regime fechado; José Edson Rangel de Medeiros, a 13 anos e seis meses; Eduardo Felipe Faustini de Medeiros, a 12 anos e dez meses; Carlos Henrique Barros Guimarães, a dez anos e seis meses; Wagner Nicoletti Fernandes, a dez anos e quatro meses; Rafael Aires Vieira, a 11 anos e dez meses; Sílvio Luís Soares Vargas, a 11 anos e seis meses; Mauro Fernando Silveira Silva, a 11 anos e dez meses; Elizeu Valdemir Bueno, a 11 anos e dez meses; Éverton Marques Porto, a nove anos e seis meses; e Gérson Roberto Peixoto Garcia, 14 anos e dois meses.

Esta condenação refere-se apenas aos réus presos. Como houve uma cisão, o processo envolvendo os demais réus, que respondem em liberdade, entre eles o tenente-coronel André Luís Otonelli Pithan, que foi comandante do 20º Batalhão de Polícia Militar, ainda está em fase de instrução.

De acordo com o promotor de Justiça Reginaldo Freitas da Silva, o Ministério Público irá recorrer para aumentar a pena aplicada aos réus que estão presos e para que eles sejam condenados por outros crimes que são apontados na denúncia. “Sempre foi a convicção do Ministério Público que esta organização era uma milícia armada e não pode ser tida como empresa de segurança”, afirmou.

De acordo com a decisão da Comarca de Pelotas, os réus formavam uma verdadeira milícia armada, fato que foi destacado na denúncia protocolada pelo Ministério Público. O juiz de Direito André Luís de Oliveira Acunha aponta no despacho que, conforme foi verificado no depoimento de vítimas e testemunhas, os integrantes da milícia atuavam em patrulhamento ostensivo, abordando indivíduos em via pública, ou mesmo invadindo residências, com a finalidade de obter confissões de crimes diversos e também para demonstrar o seu poder.

“A Nasf era um grupo de pessoas, tanto civis quanto militares, constituída com a finalidade de devolver a segurança retirada da comunidade por falta de efetividade do Estado. Contudo, os agentes ocuparam o espaço territorial oferecendo proteção, ignorando o monopólio estatal do controle social, valendo-se, para tanto, de violência e grave ameaça contra aqueles que afrontavam, ou pudessem afrontar os bens de seus clientes, formando, verdadeiramente, um poder paralelo”, sublinhou o magistrado.

OPERAÇÃO BRAÇO FORTE

Em abril de 2016, o MP desencadeou a Operação Braço Forte, que prendeu várias pessoas, recolheu veículos e fez grande apreensão de armas de fogo, armas brancas, porretes, algemas, celulares e computadores, entre outros equipamentos. Os trabalhos foram coordenados pela Subprocuradoria-Geral de Justiça para Assuntos Institucionais e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), com a parceria e apoio do Sistema Integrado de Investigação Criminal (SISCrim), do Centro de Apoio Operacional Criminal e da Promotoria de Justiça de Pelotas.

Foto: PG Alves/MPRS