ambiente

Legislação

Versão para impressão    Voltar


Resolução CONSEMA nº 04, de 28 de abril de 2000

Dispõe sobre os critérios para o exercício da competência do Licenciamento Ambiental Municipal e dá outras providências.


O Conselho Estadual do Meio Ambiente - CONSEMA, no uso de atribuições que lhe
confere a Lei nº 10.330, de 27 de dezembro de 1994, considerando:
- a necessidade de integrar a atuação dos órgãos componentes do Sistema
Estadual de Proteção Ambiental (SISEPRA), na execução da Política Estadual do
Meio Ambiente;
- a necessidade de fixação de critérios para o exercício da competência do
Licenciamento Ambiental Municipal;
- a necessidade de procedimentos administrativos para a habilitação dos
Municípios para a realização do Licenciamento Ambiental Municipal;
- a necessidade do exercício de poder de polícia ambiental pelos Municípios;
- a necessidade de troca de informações entre os órgãos integrantes de SISEPRA;
- a necessidade de atualização e adequação das atividades definidas de impacto
local;
RESOLVE:
Art. 1º - Os Municípios para realizarem o licenciamento ambiental das
atividades de impacto local, conforme dispõe a Resolução CONSEMA nº 005/98,
deverão habilitar-se junto à SEMA.
Art. 2º - Visando à habilitação junto a SEMA para a realização do licenciamento
ambiental das atividades consideradas de impacto local, deverá o Município:
a) ter implantado Fundo Municipal de Meio Ambiente;
b) ter implantado e em funcionamento Conselho Municipal de Meio Ambiente, com
caráter deliberativo, tendo em sua composição, no mínimo, 50% de entidades não
governamentais;
c) possuir nos quadros do órgão municipal do meio ambiente, ou a disposição
deste órgão, profissionais legalmente habilitados para a realização do
licenciamento ambiental, emitindo a devida Anotação de Responsabilidade Técnica
(ART);
d) possuir servidores municipais com competência para exercício da fiscalização
ambiental;
e) possuir legislação própria disciplinando o licenciamento ambiental e as
sanções administrativas pelo seu descumprimento;
f) possuir Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano, o Município com população
superior a 20.000 habitantes, ou Lei de Diretrizes Urbanas, o Município com
população igual ou inferior a 20.000 habitantes;
g) possuir Plano Ambiental, aprovado pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente,
de acordo com as características locais e regionais.
§ 1º- A documentação comprobatória da habilitação do Município deverá ser
encaminhada à SEMA, que remeterá à sua Comissão de Municipalização.
§ 2º - A Comissão de Municipalização da SEMA, após análise da documentação
encaminhará parecer ao CONSEMA, acerca do cumprimento dos requisitos
habilitatórios pelo Município para a realização do licenciamento ambiental das
atividades consideradas de impacto local.
§ 3º - Recebido pelo CONSEMA o parecer da Comissão de Municipalização e a
documentação juntada pelo Município, decidirá o CONSEMA sobre a homologação da
habilitação ou não do Município para a realização do licenciamento ambiental
das atividades consideradas como de impacto local.
Art. 3º - Somente após a homologação da habilitação pelo CONSEMA, o Município
estará apto para a realização do licenciamento ambiental das atividades de
impacto local, conforme dispõe a Resolução CONSEMA nº 005/98.
Art. 4º - No caso da existência de dúvidas acerca do ente federativo competente
para a realização do licenciamento ambiental, tal processo deverá ser remetido
à Comissão de Municipalização da SEMA, que emitirá parecer sobre o assunto,
encaminhando ao CONSEMA que deliberará sobre o caso.
Art. 5º - O Município habilitado deverá disponibilizar anualmente à SEMA, em
meio magnético, em sistema compatível com o da SEMA, a qualificação do
licenciado, o nome e a formação dos profissionais que participaram da análise
do processo licenciamento ambiental, diferenciando-as por atividade, porte e
grau de poluição.
§ 1º - Caberá a Comissão de Municipalização da SEMA elaborar formulário padrão
a ser preenchido pelo Município, devendo tais informações integrar o Sistema
Estadual de Registros, Cadastros e Informações Ambientais.
2º- Tal documentação deverá ser encaminhada à SEMA após aprovação do Conselho
Municipal de Meio Ambiente.
Art. 6º - O Município que, após habilitado para a realização do licenciamento
ambiental das atividades consideradas como de impacto local, vier a descumprir
a legislação ambiental ou o disposto nesta Resolução, poderá ser desabilitado
pela SEMA.
§ 1º - O processo de desabilitação terá início:
a partir de denúncia fundamentada dirigida à SEMA;
a partir de constatação pela SEMA do descumprimento pelo Município da
legislação ambiental ou o disposto nesta Resolução.
§ 2º - Recebida a denúncia a SEMA notificará o Município para que no prazo de
20 (vinte) dias, apresente sua defesa.
§ 3º - Ultrapassado o prazo para a apresentação da defesa, a SEMA deliberará
sobre a desabilitação ou não do Município.
§ 4º - Caberá ao Município desabilitado, no prazo máximo de 20 (vinte dias)
contados do recebimento da decisão, recurso ao CONSEMA.
Art. 7º- Os Municípios que já realizam, no momento da publicação desta
Resolução, o licenciamento das atividades consideradas como de impacto local,
conforme o disposto na Resolução CONSEMA nº 005/98, deverão no prazo máximo de
180 (cento e oitenta dias) a contar da publicação desta Resolução, encaminhar à
Comissão de Municipalização da SEMA a documentação exigida no art. 2º dessa
Resolução, para a habilitação.
Art. 8º - Esta Resolução entra em vigor na data da sua publicação.
Art. 9º - Revogam-se as disposições em contrário, em especial o § 1º, do artigo
1º da Resolução CONSEMA nº 005/98.
Porto Alegre, 28 de abril de 2000.
Claudio Langone
Secretário de Estado do Meio Ambiente
Presidente do CONSEMA




Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul
Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80 - Porto Alegre - CEP.: 90050-190 - Tel.: (51) 3295-1100